Um dia de campo

No trabalho de campo das avaliações de políticas públicas nos deparamos com muitas realidades. Quase sempre distintas entre si, complexas e contraditórias, elas chocam, impactam, geram um turbilhão de sentimentos e reflexões. Provocam tudo, menos a indiferença.

Na minha última experiência tive a oportunidade de conhecer “por dentro” uma comunidade do morro, de sentir a favela vivida.

Chegando lá a primeira sensação foi de desconforto. Logo na entrada, o aviso pichado no muro nos lembrou de que aquela área não nos pertencia: “por favor, abaixar o vidro, desliga o farol, tira o capacete”. Ali o trânsito não era livre.

Com o carro da Prefeitura chegamos somente até aquele ponto. O instrumento da nossa sensação de segurança ficou ali, estacionado no fim da rua. A partir daí somente becos, ruelas e escadarias. Um emaranhado de caminhos nos levava cada vez mais para o alto, mais perto do céu. A vista do alto do morro era espetacular, mas no trajeto, a pobreza e o lixo desenhavam o cenário do abandono.

Passamos três vielas, subimos uma escadaria e iniciamos nossa busca pelo primeiro entrevistado. Abandonar o mapa com os nomes das ruas e números das casas foi a primeira e mais sábia providência.

– “Boa tarde. Por favor, o senhor sabe onde fica a casa da Dona Marta?”

– “A esposa do Marcos? Ih, saiu e só volta no final do dia!”

– “E a casa da Marina?”

– “É aquela laranja logo ali, nos fundos da amarela, depois da escada.”

Chamamos à porta. Em meio às tarefas da casa, Marina me convidou para entrar.  Ainda desconcertada, permaneci ereta, retesada, porém com um sorriso constante, quase que forçado, tentando realizar minha entrevista. Foram necessários, no entanto, apenas alguns minutos para que o calor daquela casa quebrasse o gelo da minha redoma e me permitisse sentir a realidade. Água, bolo, café. De tudo que me ofereceu, aceitei apenas relaxar.

Saindo dali, conversamos com mais algumas famílias e seguimos pelos becos e escadarias. A sensação ainda era de desconforto, mas agora ela se misturava com a curiosidade, com a empatia, e ao final do dia dividia o espaço com muitos outros sentimentos.

À tarde, as pessoas começaram a voltar para suas casas, a senhora que subia o morro cumprimentou a vizinha que estava na janela; uma adolescente carregava o filho para perto do amigo que voltava da escola; na frente da vendinha do seu Antonio algumas crianças empinavam pipa e jogavam bola.

Naquele momento, a situação de pobreza que saltava aos olhos e a miséria de alguns foram ofuscadas pela constatação de que naquele espaço também existia algo de precioso.

A intensa circulação de pessoas, o uso e ocupação de todos os espaços e a vida comunitária ali presentes não se enquadravam nos padrões e dinâmicas vividos na cidade formal. A vontade de permanecer ali, de conhecer aquelas pessoas e tentar, ainda que em vão, experimentar a sensação de viver como todos eles, reverberou dentro de mim.

Carentes de muitos bens e serviços, acostumados a outras formas de violência e opressão, os moradores  de lá possuíam valores que nós perdemos em algum lugar no tempo. Saí com a certeza de que onde moro as pessoas não se relacionam, muito menos circulam tão livremente; lembrei de  histórias pessoas que angustiadas com as amarras de suas vidas escolheram o extremo, abrindo mão de tudo que tinham. Agora eu me pergunto: qual o preço dessa liberdade? E como deve ser morar e viver onde se quer, sem ter nada a perder?

Uma resposta para “Um dia de campo”

  1. Lindo relato! Quero viver mais experiências como esta. Nosso país é complexo e é maravilhoso se permitir deslumbrar. Abçs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *